Desenquadramento MEI: Tudo que você precisa saber!

Desenquadramento Mei Tudo Que Você Precisa Saber.jpeg - Contabilidade em Santa Catarina | Amaral Contabilidade

Compartilhe nas redes!

Ser um Microempreendedor Individual (MEI) pode trazer vários benefícios. Isso inclui um processo de registro simplificado, impostos mais baixos e acesso a certos tipos de assistência e suporte. 

No entanto, existem situações em que uma empresa pode precisar ou querer sair desse enquadramento. É aí que entra o desenquadramento do MEI, um processo que, embora necessário em certos casos, pode ser um pouco complicado de entender.

Se você é um MEI e está considerando o desenquadramento, ou se apenas quer entender mais sobre o que isso significa, você veio ao lugar certo.

Neste artigo, vamos abordar tudo o que você precisa saber sobre o desenquadramento do MEI, desde quando é necessário até como fazer isso. 

Então, continue lendo, pois esta jornada de aprendizado está apenas começando.

O que é desenquadramento do MEI?

O desenquadramento do MEI, também conhecido como desenquadramento do Microempreendedor Individual, é o processo pelo qual um MEI nao se enquadra mais nessa categoria e precisa adotar um novo regime tributário. Em outras palavras, é quando um MEI deixa de ser MEI.

Acontecem situações em que um MEI pode precisar ou desejar sair desse enquadramento. Por exemplo, se a receita anual do MEI ultrapassar o limite permitido, que atualmente é de R$ 81.000,00, ele terá que fazer o desenquadramento obrigatório.

Além disso, o desenquadramento também pode ser uma escolha voluntária. O MEI pode optar por sair dessa categoria caso deseje expandir seu negócio, contratar funcionários, ou por qualquer outra razão que o leve a buscar outro regime tributário mais adequado às suas necessidades.

É importante lembrar que o desenquadramento do MEI é um processo que requer atenção e cuidado. É necessário realizar os procedimentos legais corretos e se enquadrar em outro regime tributário, como o Simples Nacional, Lucro Presumido ou Lucro Real, dependendo do caso.

Ao realizar o desenquadramento, é essencial cumprir todas as obrigações fiscais e tributárias decorrentes dessa mudança. É recomendável buscar orientação de um contador ou especialista para garantir que todo o processo seja feito corretamente e evitar problemas futuros.

Quando é necessário?

O desenquadramento do MEI é necessário em algumas situações específicas. 

  • Receita Anual Superior ao Limite: O desenquadramento é obrigatório quando a receita anual do MEI ultrapassa o limite estabelecido. Atualmente, esse limite é de R$ 81.000,00 por ano. Se a sua receita ultrapassar esse valor, você terá que fazer o desenquadramento obrigatório e migrar para outro regime tributário.
  • Contratação de Funcionários: O MEI é uma categoria exclusiva para empresários individuais, o que significa que não é permitido ter funcionários registrados nessa modalidade. Se você decidir contratar funcionários para o seu negócio, será necessário realizar o desenquadramento do MEI e adotar outro regime tributário que permita a contratação de funcionários, como o Simples Nacional.
  • Atividades não Permitidas para MEI: Existem algumas atividades econômicas que não são permitidas para o MEI. Se você iniciar um negócio nesses segmentos, será necessário fazer o desenquadramento e buscar outro regime tributário adequado às atividades que realiza.
  • Opção Voluntária: Além das situações obrigatórias mencionadas, também é possível realizar o desenquadramento do MEI de forma voluntária. Isso pode ocorrer quando o MEI deseja expandir seu negócio, precisa emitir notas fiscais de valor superior ao permitido para MEI, deseja ter acesso a mais benefícios previdenciários, ou qualquer outra razão que o leve a buscar um regime tributário diferente.
Imagens Artigos Amaral - Contabilidade em Santa Catarina | Amaral Contabilidade

Tipos de desenquadramento MEI: voluntário e obrigatório

O desenquadramento voluntário ocorre quando o MEI opta por sair dessa categoria por vontade própria, mesmo sem ultrapassar o limite de faturamento anual ou ter outras restrições obrigatórias. Essa escolha pode ser motivada por diferentes razões, como o desejo de expandir o negócio, emitir notas fiscais de valor superior ao permitido ou ter acesso a benefícios previdenciários mais abrangentes. Nesse caso, o MEI deve solicitar o desenquadramento e adotar outro regime tributário mais adequado às suas necessidades.

O desenquadramento obrigatório ocorre quando o MEI ultrapassa o limite de faturamento anual, que atualmente é de R$ 81.000,00. Quando isso acontece, o MEI é automaticamente desenquadrado e precisa adotar um novo regime tributário. Essa mudança ocorre porque o MEI deixou de atender aos requisitos para se manter nessa categoria. É importante ficar atento aos prazos e cumprir as obrigações fiscais para evitar problemas com a Receita Federal.

Em ambos os casos, é fundamental realizar o processo de desenquadramento corretamente, seguindo os procedimentos estabelecidos. Isso envolve a atualização dos registros, a regularização das obrigações tributárias e a escolha de um novo regime tributário, como o Simples Nacional, Lucro Presumido ou Lucro Real, dependendo das características do negócio. 

O que acontece após o desenquadramento e como um contador pode te ajudar nesse processo?

Como dissemos acima, após o desenquadramento, o empresário precisará adotar um novo regime tributário, como o Simples Nacional, Lucro Presumido ou Lucro Real, dependendo do perfil e das atividades do negócio. Essa transição pode exigir a emissão de novas notas fiscais, alteração dos processos contábeis e o cumprimento de obrigações tributárias específicas do novo regime.

O contador pode fornecer orientações sobre os diferentes regimes tributários disponíveis e ajudar a identificar qual é o mais adequado para o seu negócio após o desenquadramento do MEI. Eles podem analisar suas atividades, receitas e despesas para determinar o regime tributário mais vantajoso e compatível com a sua realidade.

Ele também pode auxiliar na atualização dos registros contábeis do seu negócio para refletir a mudança no regime tributário. Isso inclui a emissão de novas notas fiscais, a adequação dos livros contábeis e a organização dos documentos necessários para o novo regime.

Cada regime tributário possui obrigações fiscais específicas. Um contador pode garantir que você esteja ciente de todas as obrigações tributárias e que esteja cumprindo-as corretamente. Isso inclui o pagamento de impostos, a entrega de declarações e o cumprimento de prazos estabelecidos pela legislação tributária.

O planejamento tributário também é importante, pois ele busca formas legais de otimizar a carga tributária e reduzir os custos fiscais. Então, o contador identifica essas oportunidades de deduções, benefícios fiscais e incentivos disponíveis no novo regime tributário. 

Contar com o suporte de um contador, ainda mais se ele for especializado em MEI é essencial para garantir uma transição suave e uma gestão financeira adequada após o desenquadramento.

Amaral Contabilidade pode te ajudar com a contabilidade do seu negócio.

Um escritório com profissionais altamente qualificados em todos os nichos da contabilidade. Onde atuamos, superando as expectativas dos clientes, trazendo inovação e atendimento personalizado, buscando sempre agilidade e qualidade na prestação de nossos serviços. 

Se sua empresa precisa de um escritório personalizado, entre em contato hoje mesmo com um de nossos contadores para um atendimento personalizado. Clique no botão abaixo!

Whatsapp Amaral Contabilidade - Contabilidade em Santa Catarina | Amaral Contabilidade

Fique por dentro de tudo e não perca nada!

Preencha seu e-mail e receba na integra os próximos posts e conteúdos!

Compartilhe nas redes:

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também

Posts Relacionados

Dctf Tudo Que Sua Empresa Precisa Saber Dessa Declaração - Contabilidade em Santa Catarina | Amaral Contabilidade

DCTF: Tudo que sua empresa precisa saber dessa declaração!

Entender o sistema tributário brasileiro é um desafio para as empresas.  Entre as diversas obrigações, a Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF) se destaca como um instrumento importante.  Ela não apenas reflete a transparência fiscal da sua empresa

Voce Precisa Declarar Ganhos Do Mei No Irpf - Contabilidade em Santa Catarina | Amaral Contabilidade

Você precisa declarar ganhos do MEI no IRPF? 

Com o crescimento do empreendedorismo no país, aumenta também a quantidade de pessoas que precisam entender as obrigações fiscais. Elas acompanham esse tipo empresário de ser.  Se você é MEI, pode estar se perguntando: “Preciso declarar meus ganhos no IRPF?”.

Como Aumentar Sua Restituicao - Contabilidade em Santa Catarina | Amaral Contabilidade

Como aumentar sua restituição?

Conseguir uma restituição maior no imposto de renda pode fazer uma diferença significativa no seu orçamento anual. Muitas pessoas veem esse momento com uma mistura de esperança e ansiedade, afinal, quem não gostaria de aumentar o valor da restituição?  Neste

Aprenda A Calcular O Inss Sobre O Pro Labore - Contabilidade em Santa Catarina | Amaral Contabilidade

Aprenda a calcular o INSS sobre o pró-labore

Compreender como calcular o INSS sobre o pró-labore é essencial tanto para os empresários quanto para os profissionais liberais.  Afinal, este cálculo não só garante a conformidade legal da sua empresa como também impacta diretamente na saúde financeira do seu

Precisa de uma contabilidade que entende do seu negócio ?

Encontrou! clique no botão abaixo e fale conosco!

Recomendado só para você
Em um mundo cada vez mais voltado para o dinamismo…
Cresta Posts Box by CP
Back To Top
Modelo 4 Irpf 2024 - Contabilidade em Santa Catarina | Amaral Contabilidade